Resenha: Minhas canetas para Lettering



Eu já venho estudando lettering e aplicando nos meus trabalhos já faz alguns anos. Acredito que fazer as próprias letras faz com que tenha mais personalidade as mensagens em frases que eu faço em algumas ilustras. No livro Os Segredos de Ouro do Lettering, por Martina Flor, descreve o lettering como:

"um conjunto de palavras para uma aplicação específica com o objetivo de transmitir uma certa mensagem ou atributo. O uso das formas de letras é limitado à aplicação para qual foram desenvolvidas, e o desenho de cada letra começa do zero."

Esse livro, aliás, é muito bom e me ensinou técnicas ótimas para melhorar minhas letrinhas favoritas. Claro que, assim como desenhar, o segredo é sempre treinar. Não venho postando muitos dos meus estudos pois estou focada no projeto dos 100 dias, mas continuo praticando sempre que posso no meu sketchbook. Tenho como inspiração minha amiga Leticia, dona da página Querida Vitrola. Aliás, já fizemos uma colab muito lindinha do nosso filme favorito em comum, O Fabuloso Destino de Amélie Poulain:



Por isso, hoje eu resolvi trazer para vocês uma resenha das minhas canetas preferidas para lettering, conhecidas como ponta pincel (ou brush pen), venho usando mais as canetas do que minha aquarela ultimamente. Além de que peguei umas cores lindas na Papelaria Universitária, confere lá na loja deles todas as opções! A principal diferença entre usar o pincel para fazer o lettering do que as canetas, é a sensibilidade da ponta, com o pincel sempre é mais leve e mais solto o traço. Já com as canetas, é um pouco mais preciso, mesmo com suas pontas sendo do tipo pincel.




Tombow Dual Brush Pen

Essa primeira é uma das mais famosas quando se trata de canetas para lettering. Vejo muitos artistas indicando pois realmente a qualidade impressiona, sua pigmentação é ótima e possui uma variedade de cores bem grande. Ela possui duas pontas diferentes, uma ponta flexível em formato pincel e uma ponta menor bem mais dura.


As canetas são a base de água e, além disso, você consegue fazer misturas de cores usando uma caneta blender. Com muito tempo de uso a flexibilidade deixa um pouco a desejar, pois a esponja fica esfarelando um pouco, mas acredito que vale o investimento mesmo assim.




Le Plume (Marvy Ushida)

Uso muito também essas canetas, que são diferentes da anterior por serem a base de álcool. Gosto da qualidade dela mas o cheiro é bem forte em relação as demais, caso você se implique com isso a Le Plume pode não te agradar tanto assim. Mas um ponto muito bom são suas cores, que também são ótimas e com uma cartela grande.


Ela possui duas pontas, uma flexível (mas não muito) em formato pincel e uma normal para escrita. Eu gosto dela por ter justamente essa outra ponta que me permite fazer anotações e usá-la no meu dia a dia. Porém, se você apenas fará estudos artísticos, essa ponta pode não te agradar tanto. Sua pigmentação é ótima e a durabilidade também, até o momento não esfarelou igual a outra.


Essas duas são as que mais uso, mas tenho também a Sakura Koi Coloring com apenas uma ponta pincel que usei poucas vezes, por isso não a inclui na resenha. Mas acredito que seja de ótima qualidade pois vejo muitos artistas usando, vale a pena pesquisar e saber se é boa e durável.


Lembrando que essa resenha são dessas duas marcas que mais venho usado, elas não saem da minha bolsa e gosto bastante de ambas. Pretendo investir em mais materiais para lettering e, se você me segue no instagram, ficará por dentro de tudo que venho testando. Qual a sua opinião sobre essas canetas? Fique à vontade para compartilhar comigo nos comentários.


Obrigada por tudo, até semana que vem!


Nadine Guerra

  • Grey Facebook Icon
  • Grey Instagram Icon
  • Grey YouTube Icon

© 2020 Nadine Guerra